Terça-feira, 15 de Março de 2011

O meu maior desejo neste momento é saber quem sou. Não se faço as lágrimas parar de jorrar, ou se vou parar de sangrar, mas onde pertenço.

As pessoas dizem que ninguém nos conhece como nós, mas então pergunto-vos eu, e quem não sabe? Quem ainda não descobriu o sentido de viver? Sinto que não pertenço em lado nenhum, não este planeta, nesta cidade, neste corpo. Até sinto que já nem a minha cama pode aquecer a minha alma gelada.

Não me sinto humana. Será isto normal? Qualquer dia parto-me, pego fogo, desintegro-me, desapareço. A minha alma evapora-se e vagueia pela eternidade. Seria bom, não seria? Não ter o corpo a acumular-se de sentimentos. Ficar vazia. Não ter de me preocupar com as minhas inseguranças nem loucuras.

È difícil encontrar o lugar onde realmente pertenço. Talvez nem exista. Sou uma estranha aos olhos do mundo. Ninguém compreende as calamidades que sinto e os ostracismos que passo. Porque será? Porque nasci tão diferente de todos?

A dor é algo deveras interessante, não? Diferente para cada um de nós, porem, igual para todos. O coração aperta até não aguentar-mos mais acabando por rebentar e o nosso corpo esvazia-se de sangue. Os pensamentos dolorosos perfuram-nos a mente e teimam lá ficar. O que podemos nós fazer parar tal crime?

Talvez alguém como eu, morta por dentro, não tem lugar neste mundo. Não tem direito a sentir que afinal de contas não é um desperdício de espaço.


Sinto-me: Hallow.
Oiço: Still Doll - Vampire Knight ED

publicado por Scarlet às 21:40 | link | kill someone

9 dead persons:
De carolina c. a 15 de Março de 2011 às 22:12
Não és um desperdício de espaço, pelo menos, não para mim.
Vamos conseguir sair disto, vais ver.


De Scarlet a 16 de Março de 2011 às 21:29
Obrigada, Carolina. Significa muito para mim, e tu sabes que sim.


De seekingbeautyindissonance.blogspot.com a 16 de Março de 2011 às 01:01
Olá, meu amor.
Eu estou aqui a chorar depois de ler isto. Podes não acreditar mas estou. Tudo o que escreveste foi como se estivesses a ver a minha alma através dos meus olhos vazios. Eu quero tanto sair deste lugar escuro e assustador. Estou à espera que alguém me salve, porque pelos vistos eu não o consigo fazer.
Eu compreendo mesmo como te sentes e o que queres dizer com essas tuas palavras. Sei mesmo o que isso é.
Eu tento esconder do mundo a minha agonia com um sorriso nos lábios, mas às vezes é mais forte do que eu e só me apetece chorar.
Nós vamos conseguir escapar a este vazio, honey. Tu mereces ser feliz. Temos que lutar. Pelo menos tentar.
Espero que estejas bem.
Beijinhos.


De Scarlet a 16 de Março de 2011 às 21:37
Olá, querida
Por um lado é mau sentires-te assim, pois não desejo isto a ninguém, mas por outro é bom saber que não sou a única a sentir-se assim.
È difícil estar assim todos os dias, ter de viver desta maneira. Tento parecer normal por tantas razões,
para não me perguntarem o que há de errado comigo ( até porque eu nem consigo explicar em condições ), para ver se me "integro" em algum lado...
Talvez um dia possamos olhar para trás e ver como isto nos formou de uma maneira especial, e que apesar de tudo o que havia de errado connosco conseguimos sobreviver porque somos fortes.
Temos de ser felizes, de conseguir, de lutar.
Beijos, espero que estejas bem.


De seekingbeautyindissonance.blogspot.com a 19 de Março de 2011 às 21:47
Eu estou na mesma situação que tu estás.
Faço de conta que estou normal quando estou neste estado. Parece que não tenho razões para viver ou algo do género. É horrível.
Mas eu ainda espero que isto passe o mais rápido possível. Vou ter que aguentar enquanto isto dura e tentar encontrar o meu caminho para a felicidade. Vamos ser felizes, vais ver. Um dia tudo vai estar bem, porque a vida só acaba quando as coisas estão bem. Se estão mal, é porque ainda não acabou.
Espero que estejas bem, tenta lutar contra esse sentimento, faz coisas de que gostes, apanha muito sol e passa mais tempo no meio da natureza (isso costuma resultar comigo, sinto-me um bocadinho melhor).
Beijinhos.


De Scarlet a 21 de Março de 2011 às 19:43
Hello again.
Eu tento, juro. Não só por mim mas por vocês. Pelas poucas pessoas que me amam. Mas tem dias mesmo horríveis, e eu não aguento.
Tento arranjar coisas que façam a minha vida valer a pena mas sinto os meus recursos a escassear.
Quero-me ir embora, que o ano acabe para poder começar de novo.
Como foi o teu dia?
Beijinhos. Stay Safe.


De Isabela a 16 de Março de 2011 às 10:58
Por vezes, é na dor que descobrimos quem somos, apenas pela nossa maneira de sofrer e o motivo de tal sofrer.
Sabes, eu também não sei quem sou, não completamente e não me assusto por tal. Penso que até é meio divertido descobrir coisas novas sobre mim todos os dias ;)


De Scarlet a 16 de Março de 2011 às 21:41
De uma maneira distorcida, a dor é o que nos forma e nos dá identidade.
E não és a única, pelo menos todos os dias descubro algo novo sobre mim, por mais insignificante que seja. E por um lado isso assusta-me, porque me faz pensar que nem eu mesma me conhece. Faz-me pensar que a minha mente está contra mim, e teima em ser algo totalmente diferente do que eu quero ser.


De Scarlet a 16 de Março de 2011 às 21:43
conheço*


kill someone